You&Me  (a infinita constelação dos nossos sentidos) é um projeto de arte generativa interativa, motivado pela constatação do efeito “bolha” que a tecnologia tem sobre as vidas reais, encapsulando o indivíduo numa esfera onde ele se sente constantemente ligado a estímulos e conteúdos de vária ordem, que frequentemente se sobrepõem, em termos de importância e prioridade, aos estímulos e conteúdos diretos, do mundo físico ao seu redor. Este projeto traduz-se, assim, numa vontade de querer contrariar esse efeito, usando a mesma tecnologia que o promove como arma de combate, para construir um conjunto de estímulos sensoriais altamente recompensadores.

Esta proposta foi apresentada a concurso no âmbito do projeto Realtime Runtime People (RRP), e foi uma das quatro selecionadas. O projeto RRP é operacionalizado pela ARTECH-International, a Universidade Aberta, o Centro de Investigação em Artes e Comunicação (CIAC), a International Society for Education through Art (InSEA) e a Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual (APECV).

INSPIRAÇÃO

O Amigo

1.
Um amigo, o primeiro amigo
dentro da nuvem de um sonho.

O impossível toca-nos as mãos
subitamente — o fogo, a flor concêntrica
de planetas no exílio.

Na terra do silêncio
os frutos caem
de sua própria vontade.

2.
Ao coração das coisas,
ao jugo das cores da memória,
ao pequeno desvio da sombra no deserto,
ao amor que nos alimenta de morte, à morte
que morre connosco
opomos a infinita
constelação
dos nossos sentidos.

Casimiro de Brito, in “Jardins de Guerra”

Os termos assinalados a negrito são altamente sugestivos, quer em termos visuais, quer sonoros, e constituem a principal fonte de inspiração para a obra generativa que irá ser desenvolvida.

Algumas imagens de referência:

Teste já realizado por mim para este projeto, em Processing:

Atratores de Lorenz (imagem de The Institute for Advanced Architecture of Catalonia):

SINOPSE

O conceito do projeto assenta numa aplicação desenvolvida em Processing e Arduino, em que (pelo menos) dois terminais de interação se encontram em sítios distintos do mesmo espaço, de forma a que o acesso simultâneo a mais do que um terminal seja impossível a um só indivíduo.

Cada terminal estará dotado de sensores (potenciómetros, sensores capacitivos, ou outros a definir) e a ação desses sensores incidirá sobre parâmetros da obra generativa, que será projetada. A deteção da presença junto de cada posto de interação far-se-á também através de sensores.

É possível a utilização individual de cada posto de interação, embora seja recompensada com uma versão menos dinâmica do sistema. Só com a confirmação de dois (ou mais) sensores ultrassónicos, e a subsequente atuação conjunta dos sensores, a excitação do sistema generativo audiovisual atinge o seu clímax.

Essa excitação é obtida a partir de um crescendo que motive os visitantes a permanecer junto aos postos e a manipularem-nos, e esse crescendo será marcado por fatores visuais (cores mais saturadas e luminosas, maior velocidade de deslocação dos elementos visuais, maior ocupação da área útil), semânticos (a apresentação de mensagens de texto ou áudio) e sonoros (crescendo de intensidade sonora, frequências e ritmos mais elevados), traduzindo  o subtítulo da obra: a infinita constelação dos nossos sentidos.

Caso não sejam detetados entraves (técnicos, financeiros, etc.), cada posto de interação poderá ser dotado de mais do que um sensor  de tipos distintos, interruptores, potenciómetros, sensíveis ao toque, luz, etc., com vista a um maior número de variações possíveis sobre os parâmetros da obra. Poderá também ser estudada a colocação de atuadores / feedbacks visuais (como LEDs, por exemplo) em cada posto de interação, para uma maior riqueza de estímulos. Poder-se-á ainda equacionar a construção de mais postos de interação, sempre dentro do conceito inicial, de que o resultado da ação conjunta irá sempre superar os individuais.

A instalação consiste em (pelo menos) dois postos de interação, eventualmente com estética Steam Punk, e (idealmente) um écran de grandes dimensões (projeção). Os postos de interação deverão ter uma altura na ordem de 1.10m e a área física ocupada individualmente não deverá exceder 0,4m x 0,4m. A sua distância máxima ao sistema de processamento (computador e Arduino) será determinada por eventuais limitações de ordem técnica (perda de sinal em cabos excessivamente longos, por exemplo).

Algumas imagens de referência:

EQUIPAMENTO NECESSÁRIO

Computador recente com Processing 3.1 ou superior, dual core ou quad core, cabos de ligação, Arduino, sensores ultrassónicos e outros, material de suporte para construção dos postos de interação (MDF, metal, LEDs, cabos), projetor short throw ou ultra-short throw.

%d bloggers like this: